fbpx
Publicado em 18 de julho de 2019

Artigo de Frank Eulderink fala que instalar infraestrutura para carregar veículos elétricos acontecerá com mais frequência. Mas, quais tipos de plugues e padrões? Em geral, existe confusão e a proposta do texto é esclarecer essas questões relevantes para o FM.

Frank Eulderink

 A mobilidade elétrica está crescendo exponencialmente e isso, consequentemente, significa que a infraestrutura para veículos elétricos prosseguirá. A infraestrutura é um tópico muito relevante para o FM. No último artigo publicado no site da ABRAFAC foi explicado porque a instalação dessa infraestrutura é muito importante para o FM. Há confusão sobre as opções que existem para carregar um veículo elétrico e mais confusão sobre os tipos de plugues que existem. Infelizmente não existe 1 padrão ´geral´ (ainda), mas este artigo explicará as opções e os padrões mais comuns que existem no mercado brasileiro.

O carregamento

Existem basicamente duas maneiras de carregar um veículo elétrico: usando o carregador interno, instalado dentro do veículo ou usando um carregador externo. No futuro, carregamento sem fio também será possível.

Usar o carregador interno é a maneira mais simples. O carregador pode ser conectado em qualquer tomada padrão, similar aos carregadores de celulares. É o jeito mais lento, levando até 12 horas para concluir, e não é o método mais seguro, pois existe o risco de superaquecimento de cabos, não podendo ser usado cabos de extensão.

Usando um carregador externo, o grande benefício é poder carregar o carro muito mais rápido, mas isso requer um investimento. Existe dois tipos:  carregadores AC (corrente alternada), que é carregamento ´normal´. E tem carregadores DC (corrente contínua), que é ´(ultra) rápido´.

O carregamento ´normal´ tem as seguintes características:

– carregamento com corrente alternada;

–  carregando até 100% da bateria em 1 – 7 horas;

– o cabo em geral não está conectado ao carregador e os usuários levam o seus próprios cabos com plugues Tipo 1 ou Tipo 2 (que vai ser explicado adiante);

– a bateria é utilizando o carregador no carro para converter a energia – limitando a potência e assim ficando mais lento do que carregamento ´ultra rápido.

Já carregamento ´(ultra) rápido´ tem as seguintes características:

– carregamento com corrente contínua;

– carregando até 80% da bateria em 20 – 30 minutos;

– o cabo está conectado ao carregador rápido;

– a bateria é carregada diretamente via o carregador, assim permitindo potencias maiores, mas não são todos os carros aceitam este tipo de carregamento.

Os plugues

Para carregamento ´normal´:

– em geral os usuários levam os seus próprios cabos;

– existem dois tipos de plugues para Brasil: Tipo 1 ou Tipo 2.[i] Tipo 1 é padrão Estados Unidos e Tipo 2 é padrão europeu;

– o tipo usado depende da marca do veículo;

– o mais comum (´padrão´) no Brasil e Tipo 2, significando que os usuários normalmente compram cabo próprio Tipo 2 (para conectar no carregador) para Tipo 2 (para conectar o veículo).

Para carregamento ´(ultra) rápido´:

– cabos estão conectados ao carregador.

– existem alguns tipos de plugues:

– CCS (que provavelmente será o ´mais popular´ para carregadores DC) (BMW, VW, Hyundai);

– CHAdeMO (Nissan, Mitsubishi, Kia);

– Tipo 2 (para ´Tesla Supercharger´).

– para o Brasil, por enquanto, o mais ´lógico´ seria de ter um carregador ´(ultra) rápido´ com 2 cabos/ plugues conectados, sendo CCS e CHAdeMO

Resumo:

[i] Tipo 1 = SAE J1772/ J plug e Tipo 2 = IEC 62196/ Mennekes


Frank Eulderink, Holandês. Empreendedor, Consultor e Executivo financeiro sênior com carreira de >20 anos em empresas multinacionais. No momento trabalhando como: consultor financeiro (transformações digitais e RPA em finanças), fundador da plataforma para veículos elétricos ´Rodaverde.com´ e fundador da empresa ´iFluks´, fazendo importações e instalações de carregadores para veículos elétricos.


SEJA UM ASSOCIADO ABRAFAC E TENHA ACESSO EXCLUSIVO AO
CONTEÚDO DA BIBLIOTECA E AOS EVENTOS ABRAFAC.
CLIQUE AQUI E ASSOCIE-SE!

Compartilhe nas redes sociais
25 jun 2019

Tecnologia e modelo de gestão em condomínios comerciais

O artigo trata do uso de tecnologias em condomínios comerciais associado a um modelo de gestão, tendo a prospectiva estratégica como uma ferramenta de auxílio na construção de cenários desejáveis ao empreendimento, devido as mudanças no ambiente dos negócios, que vão em direção da digitalização.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This field is required.

This field is required.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.