fbpx

Hoje em dia existem muitos artigos relacionados a princípios ESG (do inglês, Environmental, Social, Governance, em tradução livre para o português são princípios Ambientais, Sociais e de Governança), porém pouca informação relacionando estes princípios à área de Facility Management.

Essa série de artigos tem como objetivo esclarecer de uma forma resumida como uma gestão de facilities services deverá ser desenvolvida para manter a documentação atualizada referente a legislação vigente e desenvolver políticas, normas, procedimentos e metas internas em uma empresa corporativa que se preocupa em divulgar relatórios com princípios ESG.

Este primeiro artigo irá trazer conceitos amplos de Facility Management e de ESG e se aprofundar no princípio Ambiental, para que os outros artigos se aprofundem nos princípios Social e de Governança.

O conteúdo aqui apresentado faz parte da monografia defendida na Poli-Integra para obtenção de título de Especialista em Gerenciamento de Facilidades e pode ser acessada pelo link disponibilizado ao final do texto.

figura 1
Figura 1: Interesse ao longo do tempo pelo termo ESG no Google (GOOGLE TRENDS, 2021)

De início, é importante frizar que os princípios de ESG estão relacionados com as práticas de gestão ambiental, social e de governança, alinhados com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Empresas que adotam iniciativas em concordância com os 17 ODS podem se tornar mais valiosas para o mercado financeiro, pois os aspectos tangíveis são contabilizados e vistos no balanço patrimonial, no entanto, os aspectos intangíveis podem se tornar ainda mais valiosos para empresas, já que são tópicos
relacionados a goodwill (patrimônio de marca ou ativo intangível, em tradução para o português), marca, reputação, qualidade de governança, qualidade de gestão, histórico de respeito aos direitos humanos, aspectos sociais e trabalhistas e as considerações dos ecossistemas na comunidade onde a empresa opera (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2007).

Mas é importante destacar que ainda há uma falta de consenso no que tange as métricas, indicadores e parâmetros a serem utilizadas com relação aos princípios ESG, já que a cada ano organizações do mundo todo apresentam fatores e iniciativas relacionadas a cada princípio em seu ponto de vista.

A Tabela 1, abaixo, apresenta informações e dados com o objetivo de realizar uma comparação entre as iniciativas, fatores e indicadores do princípio Ambiental pelas seguintes organizações mundialmente reconhecidas: Conselho Internacional de Negócios do Fórum Econômico Mundial, Banco Mundial e Sustainability Accounting Standards Board.

tabela 1
Tabela 1: Comparação dos princípios Ambientais conforme três instituições (tabela de autoria própria, com base em informações do WORLD ECONOMIC FORUM, 2020, THE WORLD BANK, 2018, SASB, 2021)

Nota-se que as três instituições acima, apresentam tópicos relacionados aos princípios ambientais muito semelhantes, com ênfase em ações que visem a proteção dos recursos naturais (água, solo e ar) para minimizar o impacto negativo dos processos da empresa no meio ambiente. Foram então eleitos poucos princípios Ambientais, escolhidos por serem os mais notáveis apresentados por organizações de todo o mundo que se relacionam ao trabalho do Gerente de Facilities, apresentados na Tabela abaixo:

tabela 2
Tabela 2: Seleção dos Princípios Ambientais (tabela de autoria própria)

Um bom sistema de Facilities Management pode aprimorar os objetivos sustentáveis das empresas ao longo de todo o ciclo de vida do empreendimento, do design até a construção e demolição, com atuação forte durante a fase operacional. Um estudo de Elmualim et al. (2012) descreve que atualmente as principais preocupações de Gerentes de Facilities acerca de questões ambientais são relacionadas ao gerenciamento de resíduos, processos de reciclagem, consumo energético, pegada de carbono, saúde e segurança, legislações vigentes e imagem corporativa.

Mas entende-se que o papel do Gerente de Facilities vai muito além da operação, já que durante a fase de design a sua contribuição pode interferir na construção de edifícios que: melhor atendam às necessidades do business, sejam mais atrativos aos clientes, mais fáceis de se manter, mais fáceis de serem controlados e gerenciados, tenham um melhor ganho na relação custo-eficiência em relação a operação, e que respondam mais rápido às demandas dos usuários (JAUNZENS et al., 2001).

O Gerente de Facilities pode consultar e utilizar a ABNT NBR ISO14001 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS, 2015) para criação e estruturação de uma gestão ambiental, já que esta Norma visa elaborar processos para elaboração de Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) e deverá se atentar a cumprir todas as legislações vigentes no brasil em relação a questões ambientais.

São diversas as leis ambientais no Brasil, mas algumas devem ser comuns ao dia a dia de muitos Gerentes de Facilities, como: a Lei de Crimes Ambientais, a qual dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente; a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC), que age sobre a produção, os métodos, as técnicas e as substâncias que possam trazer risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente; a obrigatoriedade que haja o registro da empresa e/ou do profissional no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais ou do Cadastro Técnico Federal de Atividades e Instrumentos de Defesa Ambiental (CTF/AIDA – IBAMA) caso haja indústria e comércio de equipamentos, aparelhos e instrumentos destinados ao controle de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras; a
existência do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS); Licença Ambiental válida para as suas atividades, instalações e equipamentos, emitida pelo órgão ambiental estadual/distrital.

Com tudo o que foi dito anteriormente e para mais rápido transmissão de informação, apresenta-se a Tabela 3 onde estão elencados os facilities services que são mais comumente oferecidos dentro de escritórios corporativos e algumas ações que o Gerente de Facilities poderá tomar na contratação e operação dos serviços que seguem Princípios Ambientais:

tabela 3
Tabela 3: Facilities services e Princípios Ambientais (tabela de autoria própria)
tabela 3 pt 2
Continuação da Tabela 9: Facilities services e Princípios Ambientais+
tabela 3 pt 3
Continuação da Tabela 9: Facilities services e Princípios Ambientais
Continuação da Tabela 9: Facilities services e Princípios Ambientais

Por fim, conclui-se que dentro da área de Facilities Management são diversas ações que podem ser tomadas pelo Gerente de Facilities e seus pares, a começar pela contratação dos serviços que deverá conter processos que garantam o controle no consumo de recursos naturais, desenvolvimento de indicadores e metas que sejam verificadas regularmente. O controle de desperdício, de reciclagem de materiais, de geração de efluentes que gerem o mínimo impacto ambiental também deverão estar alinhados aos sistemas de gestão dos serviços oferecidos e a elaboração de um Sistema de Gestão Ambiental com possível certificação auxilia o GF a alcançar metas estipuladas pela organização.

BIBLIOGRAFIA:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14001: Sistemas da Gestão Ambiental – Requisitos com Orientações para Uso. Rio de Janeiro, 2015.

GUIMARAES, Martha Tavanielli. Princípios ESG e o Gerenciamento de Facilidades: Aplicação em uma empresa de tecnologia. Disponível em:
http://www.poli-integra.poli.usp.br/library/pdfs/5e9e1b8c7b18abb6133efe83c2a7246e.pdf

ELMUALIM, A., VALLE, R., KWAWU, W. Discerning policy and drivers for sustainable facilities management practice. International Journal of Sustainable Built Environment, Vol. 1 No. 1, pp. 16-25. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2007. Guia de Sustentabilidade para as Empresas. Disponível em:
https://conhecimento.ibgc.org.br/Paginas/Publicacao.aspx?PubId=22127. Acesso em: 20, jan.
2020.

JAUNZENS, D., WARRINER, D., GARNER, U., WATERMAN, A. Applying facilities expertise in building design. Building Research Establishment, Watford. 2001. SASB, 2021. Download SASB Standards. Disponível em:
https://www.sasb.org/standards/download/. Acesso em: 30 de jun. 2021.

THE WORLD BANK, 2018. Environmental and Social Framework. Disponível em:
https://thedocs.worldbank.org/en/doc/837721522762050108-0290022018/original/ESFFramework.pdf. Acesso em: 30 jul. 2020.

WORL ECONOMIC FORUM, 2020. Measuring Stakeholder Capitalism: Toward Commom
Metrics and Consistent Reporting of Sustainable Value Creation Report. Disponível em:
http://www3.weforum.org/docs/WEF_IBC_Measuring_Stakeholder_Capitalism_Report_2020.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021

foto martha guimaraes

Martha Guimarães

Martha Guimarães é Especialista em Gerenciamento de Facilidades pela Poli-Integra (USP), fez graduação em Engenharia Civil pela UNICAMP e tem experiência profissional gerenciando equipes globais de Facility Management para empresas de tecnologia

Caso você tenha interesse de que seu artigo também seja apresentado no site da ABRAFAC, encaminhe por e-mail para secretaria@abrafac.org.br
Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Associe-se
Área de Associado